A Alemanha possui uma Polícia Nacional com escritório nas principais cidades, 16 policias Estaduais, uma policia na Baviera e policias municipais espalhadas por todo país. Na Inglaterra, são 43 policias locais sem falar da Scotland Yard. Nos EUA passam de 19 mil. Em Portugal, Espanha e França, são duas policias Nacionais e policias locais. Estes são apenas alguns exemplos para dizer que não existe, em nenhum país sério, uma policia única. Pelo contrário, as administrações tendem a diversificar suas Corporações, conferindo-lhe especialização ou atribuição geográfica. Assim, oferecem melhor qualidade de serviços à População, além de poder permitir a comparação entre o rendimento de uma e de outra instituição. Porque deste assunto aqui neste blog? Porque nos dois artigos meus aqui publicados anteriormente, citei a critica velada do Secretário de Segurança do Rio de Janeiro ao sistema atualmente implantado no Brasil. Prometi que abordaria uma “solução” que o Congresso Nacional apresenta de forma recorrente para o problema suscitado pelo Secretário e que não é solução, nem arremedo de solução. Trata-se da Policia Única.

Sempre que aparece uma critica ao sistema de segurança pública, lá vem o Congresso com a salvação Nacional: instituição de policia única. A solução não vinga. Primeiro, porque isto não existe. Segundo, porque submeteria a sociedade à capacidade e boa vontade de uma única instituição. Terceiro, porque quando falam qual policia sobreviveria ninguém chega a um acordo. Melhor mesmo seria criar mais policias, e aí também ninguém concorda, ou estabelecer o ciclo completo, outra “solução” mirabolante se considerado o quadro atual. Sei que muitos policiais, e população esclarecida, defende o ciclo completo com base na lei 9099, porque este sim é o caminho mais viável para atender o cidadão vítima de um crime. Com o ciclo completo, a polícia que atender uma ocorrência terá obrigação de apresentar para a vítima e para a sociedade uma solução legal e cabível. Contudo, ciclo completo também não vinga enquanto não discutirmos a validade do Inquérito. Embora pessoalmente, admito que com o ciclo completo haja uma evolução. Mas por enquanto, ficaremos com o Beltrame: Não podemos deixar a sociedade a mercê e as instituições sangrando dizendo minha competência vai até aqui, sua competência vai até ali… O que a sociedade deseja são instituições cujas competências lhes torne capaz de dar uma solução a seus problemas. Mas este, já é assunto para outro artigo. Dele, falaremos em breve.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.