O que é o Ciberterrorismo?

3092
O que é, e como está hoje o Ciberterrorismo?
O que é, e como está hoje o Ciberterrorismo?

Ciberterrorismo é a expressão usada para descrever os ataques terroristas executados pela Internet, com o objetivo de causar o danos a sistemas ou equipamentos. Qualquer crime informático que ataque redes de computador pode ser classificado como ciberterrorismo, em que geralmente as ferramentas utilizadas são os vírus de computador. A facilidade com que os ataques são realizados e os danos que podem causar preocupam países pelo mundo todo. O caso mais notório desses ataques ao Estado aconteceu em 2007 na Estônia, em que ciberterroristas atacaram os sites do governo, o que para Estônia, um país que tem quase todos os seus serviços na Internet, sendo considerado um país digitalizado, causou vários problemas nesses serviços, afetando diretamente a população. Vários outros incidentes como esse, mas em menor proporção, foram documentados.

A Internet torna-se uma poderosa arma digital na mão dos ciberterroristas. Assim como vários países espalhados pelo mundo, os Estados Unidos atentam para o perigo dos ataques virtuais. Como os ciberterroristas conseguem acessar qualquer informação dos sistemas do governo, o terrorismo pela Internet é considerado uma ameaça para a integridade do Estado. Steven Chabinsky, o diretor do FBI responsável pela investigação dos cibercrimes, considera que o ciberterrorismo afeta a própria existência do país. Diz que outros governos e seus hackers podem estar interessados em enfraquecer os EUA, e que o ciberterrorismo está cada vez mais envolvido com o crime organizado. Afirma que a investigação do ciberterrorismo é a prioridade do FBI. O governo britânico também tem sido acusado de facilitar a criação de contas de twitter “jihaddistas”.

Preparação para uma possível Ciberguerra

Os serviços de segurança das principais potências mundiais já se preparam para a ciberguerra, investindo em sistemas de segurança para prevenção de novos ataques. A Interpol, serviço que integra polícias de diferentes países, propôs, em 2010, a criação de um sistema global de identidade. O assunto, tratado em uma conferência realizada em Hong Kong tratou de soluções para prevenção do ciberterrorismo. O secretário-geral da Interpol, Ronald K. Noble, afirma que a dificuldade de identificação na rede agrava ainda mais a situação, considerando o encorajamento de hackers. O secretário-geral afirma que as polícias precisam de um canal seguro para se comunicar, livre de ciberterroristas.
No Brasil, autoridades e pessoas relacionadas à área de segurança na virtual clamam para que a Internet deixe de ser um território “sem lei”. Por enquanto, o que mais recebe atenções na Internet são imagens e outros conteúdos com direitos autorais que são trocadas ilegalmente pela rede. Em muitos países as leis de direitos autorais estão em vigor, no Brasil porém, não há fiscalização na prática e esses arquivos são trocados livremente. Vários governos pelo mundo já se movimentam contra a pirataria on-line e o ciberterrorismo, propondo formas para que as leis normais sejam aplicadas também na Internet. Essa intenção pela regulamentação e controle do uso da Internet, tornou-se evidente no caso WikiLeaks. A lei começa a tornar-se mais presente no mundo virtual. Há a clara intenção de que as operadoras telefônicas cadastrem o IP de seus usuários para que a identificação se crimes na Internet seja feita de forma mais rápida, porém, não há nenhum projeto confirmado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.