PCGO: Como funciona a Polícia Civil do Estado de Goiás?

2488
Como funciona a Polícia Civil do Estado de Goiás?
Como funciona a Polícia Civil do Estado de Goiás?

A Polícia Civil do Estado de Goiás é uma das polícias de Goiás, Brasil, órgão do sistema de segurança pública ao qual compete, nos termos do artigo 144, § 4º, da Constituição Federal e ressalvada competência específica da União, as funções de polícia judiciária e de apuração das infrações penais, exceto as de natureza militar.

Cargos policiais

Delegado de Polícia Escrivão de Polícia Agente de Polícia
Substituto 3° Classe 3° Classe
2° Classe 2° Classe 2° Classe
1° Classe 1° Classe 1° Classe
Classe Especial Classe Especial Classe Especial

Organização policial

Estrutura básica

  • Conselho Superior da Polícia Civil
  • Gabinete do Delegado-Geral da Polícia Civil
  • Adjuntoria-Geral
  • Gerência de Administração e Finanças
  • Gerência de Assessoria Técnico-Policial
  • Departamento de Polícia Judiciária
  • Gerência de Planejamento Operacional
  • Delegacias Especializadas Estaduais
  • Delegaciais Regionais
  • Delegacias Distritais
  • Delegacias Especializadas Municipais

Delegacia de polícia

A Polícia Civil do Estado de Goiás, dirigida pelo Diretor-Geral de Polícia Civil, desenvolve os serviços públicos da sua competência, basicamente, através dos Distritos Policiais. Os distritos distribuídos pelo território estadual, são, nas suas circunscrições, o centro das investigações e dos demais atos de polícia judiciária e pontos de atendimento e proteção à população. São 26 distritos policiais na Capital e 14 Delegacias Regionais no Interior do Estado

Padronização do procedimento

Existe um padrão organizativo e de rotinas, desenvolvido desde a criação da Polícia Civil, em 1808, quando da instituição da Intendência Geral de Polícia da Corte e do Estado do Brasil, logo disseminado para todo o país. Reformas posteriores no Império e na República mantiveram um modelo nacional. Desde 1871 as investigações policiais são formalizadas no Inquérito Policial, previsto no Código de Processo Penal.

Investigação especializada

Veículo da frota de 2011

Em apoio as delegacias distritais, surgiram as delegacias especializadas decorrentes do desenvolvimento da atividade criminosa que também se especializou, organizou-se em quadrilhas e estendeu as suas ações por largas faixas territoriais. As principais delegacias especializadas reprimem o tráfico de entorpecentes, o roubo e o furto, inclusive de automóveis, as fraudes ou defraudações, sendo certa a inclusão das delegacias de homicídios dentre essas unidades pela importância do bem jurídico protegido que é a vida humana.

A Polícia Civil de Goiás conta com as seguintes unidades especializadas:

Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais – DEPAI
Delegacia de Polícia Interestadual – POLINTER
Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente – DPCA
Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher – DEAM (Goiânia)
Delegacia Especializada em Investigações de Crimes de Trânsito de Goiânia – DICT
Delegacia Estadual de Capturas – DECAP
Delegacia Estadual de Investigações Criminais – DEIC
Grupo Antirroubo a Banco (GAB)/DEIC
Grupo Antissequestro (GAS)/DEIC
Grupo de Repressão a Estelionato e Outras Fraudes / DEIC
Grupo de Repressão a Roubo em Residência / DEIC
Grupo Tático 3 (GT3)
Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios – DIH
Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública – DERCAP
Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária – DOT
Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Consumidor – DECON
Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente – DEMA
Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas – DECAR
Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores – DERFRVA
Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos – DENARC

Operações especiais

Insígnia do G.T.3

Formado em 1999, o G.T.3 – Grupo Tático 3 é a unidade de operações policiais especiais da Polícia Civil. Tem a finalidade de dar apoio operacional e técnico aos outros órgão policiais, principalmente, no combate ao crime organizado e às quadrilhas de marginais de acentuada periculosidade. Atuam, também, no resgate de reféns, escolta de presos com possibilidade de tentativa de resgate, proteção à testemunhas e ações conjuntas com outros órgãos da segurança pública.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.