A falência do sistema penitenciário e a esperança que me conduz – Sargento Lago

442

O mundo em que vivemos está à beira do caos. A situação está insustentável. Existe pressão em todos os lados. A sociedade sente o colapso iminente, e a população, pânico. As notícias dão conta de que o pessimismo já não é apenas uma decisão precipitada de antever a barafunda, mas a própria constatação de que ela chegou. No Brasil, a crise do sistema carcerário soma-se à crise econômica, política e moral e prenunciam uma nova Babel irreconciliável.

 Todavia, propagar simplesmente a ideia do caos não nos conduzirá a lugar algum diferente do fracasso. É sob esta nuvem densa e escura que temos que enxergar a solução para o problema. Não faz parte da solução quem, além de comemorar  uma nova tragédia, exibe como troféu as mazelas que nos diminuem perante a sociedade mundial, propagando em redes sociais a nossa incompetência de construir um mundo melhor para nós e nossos descendentes.

 É importante gritar aos quatro ventos que todos nós somos responsáveis pela mudança. Mesmo que alguém recuse cumprir com a sua obrigação social, ainda assim não poderá se esquivar das consequências.

 Essa guerra que está acontecendo nos presídios expõe a falência do sistema penitenciário brasileiro, que não cumpre os interesses da Lei de Execução Penal e, mais que isso, nos faz vítimas dela. De uma forma ou de outra, todos sofreremos suas consequências. Sem querer falar mais do mesmo, em vez de criarmos sensacionalismos com imagens tenebrosas, podemos refletir que esses corpos mutilados sendo compartilhados refletem a nossa própria cabeça desconectada do corpo, incapaz de raciocinar, impedindo que busquemos uma solução. Pior, que deixemos de ser parte do problema.

Quanto mais houver presos mortos,  mais vagas serão abertas e preenchidas abruptamente por criminosos inexperientes e mais cruéis. Por que penso assim? Simples: primeiro, porque nada de consistente está sendo feito para diminuir a criminalidade do país; segundo, se as pessoas de bem, muitas religiosas, já conseguem comemorar a morte de humanos, engrossando o refrão de que “bandido bom é bandido morto”, imaginem como não está o ânimo desses novos bandidos que a nossa sociedade produz a cada dia? Porque não podemos esquecer que os bandidos saem da nossa sociedade, não vêm de Marte. Achar que a morte de todos encarcerados erradica o crime do país é o mesmo que imaginar que se pode extinguir a doença matando o doente.

O que alimenta nossa esperança é que o país já está sendo passado a limpo com a “operação Lava jato” e poderosos criminosos sendo responsabilizados. Mas é apenas o começo. Precisamos de muitas outras ações que vão permitir que esse trem descarrilado retome o seu rumo. Reformas no judiciário, educação, política, saúde, segurança, entre tantas outras, devem ser priorizadas. Também devemos conscientizar nossas crianças das ações corretas, dando bons exemplos.

Nesse momento de turbulência por que passa o país, em vez de propagar o Armagedon, é mais produtivo buscar a sapiência do líder sul-africano e prêmio Nobel da Paz Nelson Mandela: “devemos promover a coragem onde há medo, promover o acordo onde existe conflito  e inspirar esperança onde há desespero”.

COMPARTILHAR
Sargento Lago (SP)
Ex-policial da ROTA e jornalista diplomado, Lago também é cantor e compositor de músicas que retratam a rotina policial. Na reserva da PMESP desde 2009, acabou de lançar o livro Papa Mike – A realidade do policial militar, após visitar todos as corporações do Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA